9 results

Relação entre sarcopenia e obesidade sarcopênica como preditores de prognóstico em pacientes idosos hospitalizados com infarto agudo do miocárdio

Natália de Moraes Santana ORCID logo , Roberta Maria Lins Mendes ORCID logo , Nadja Fernandes da Silva ORCID logo , Cláudia Porto Sabino Pinho ORCID logo

DOI: 10.31744/einstein_journal/2019AO4632

RESUMO Objetivo: Verificar a relação entre sarcopenia e obesidade sarcopênica como preditores de prognóstico em pacientes idosos com infarto agudo do miocárdio internados. Métodos: Estudo transversal envolvendo pacientes idosos com infarto agudo do miocárdio, hospitalizados no período de abril a julho de 2015, em serviço público, no Nordeste brasileiro. A sarcopenia foi determinada por meio das medidas de massa muscular, força muscular e desempenho físico. Foram utilizados os marcadores de risco cardiovascular e de prognóstico, como os valores de troponina […]

Características clínicas e evolução em longo prazo de pacientes jovens com síndrome coronariana aguda no Brasil

Alexandre de Matos Soeiro, Felipe Lourenço Fernandes, Maria Carolina Feres de Almeida Soeiro, Carlos Vicente Serrano Jr, Múcio Tavares de Oliveira Jr

DOI: 10.1590/S1679-45082015AO3381

ObjetivoNo Brasil, há poucas descrições na literatura referentes ao padrão angiográfico e a características clínicas em pacientes jovens com síndrome coronariana aguda, apesar do número evidente de casos nessa população. O objetivo deste trabalho foi avaliar quais as características clínicas que mais se associam com a síndrome coronariana aguda em pacientes jovens e quais os desfechos a longo prazo nessa população.MétodosTrata-se de estudo prospectivo observacional com 268 pacientes com menos de 55 anos de idade com síndrome coronariana aguda, realizado […]

Tratamento atual da síndrome coronária aguda sem supradesnivelamento do segmento ST

Fernando Morita Fernandes Silva, Antonio Eduardo Pereira Pesaro, Marcelo Franken, Mauricio Wajngarten

DOI: 10.1590/S1679-45082015RW3172

A síndrome coronária sem supradesnivelamento do ST geralmente resulta da instabilização de uma placa aterosclerótica, com subsequente ativação plaquetária e de diversos fatores de coagulação. O tratamento visa aliviar a dor isquêmica, limitar o dano miocárdico e diminuir a mortalidade. Diversos agentes antiagregantes e anticoagulantes provaram sua utilidade, e novas drogas passaram a compor o arsenal terapêutico, buscando maior eficácia anti-isquêmica e menores índices de sangramento. Apesar dos avanços, as taxas de mortalidade, infarto e reinternação ainda permanecem elevadas.

Células envolvidas no remodelamento da matriz extracelular após infarto agudo do miocárdio

Larissa Ferraz Garcia, Fábio D’Aguiar Mataveli, Ana Maria Amaral Antônio Mader, Thérèse Rachell Theodoro, Giselle Zenker Justo, Maria Aparecida da Silva Pinhal

DOI: 10.1590/S1679-45082015AO2970

ObjetivoAvaliar os efeitos da transferência gênica do VEGF165 no processo de remodelamento da matriz extracelular após infarto agudo do miocárdio.MétodosRatos Wistar foram submetidos ao infarto do miocárdio por ligação da artéria coronária descendente esquerda, e a fração de ejeção de ventrículo esquerdo foi utilizada para classificar os infartos em grandes e pequenos. Os animais foram divididos em grupos de dez animais, de acordo com o tamanho do infarto (grande ou pequeno), e receberam ou não tratamento com o VEGF165. A […]

Trombose muito tardia de stent coronário não farmacológico: identificando má aposição e expansão por ultrassonografia intravascular

Adriano Caixeta, Vanessa Cristina Salomon Palma Braga, Gary S Mintz

DOI: 10.1590/S1679-45082013000300017

Paciente de 60 anos de idade, com histórico de implante de dois stents coronários não farmacológicos durante quadro de infarto do miocárdio com supra do segmento-ST. Dois anos após, foi admitido no pronto-socorro com quadro clínico de angina instável de início recente. O paciente fazia uso regular de inibidor da enzima de conversão da angiotensina, betabloqueador e aspirina. A aspirina foi suspensa por 10 dias antes da atual hospitalização para a retirada de um tumor de rim. O paciente foi […]

Ecocardiografia com contraste no infarto do miocárdio

Maria Luciana Zacarias Hannouche da Trindade, Marcelo Luiz Campos Vieira, Ana Clara Tude Rodrigues, Miguel José Francisco Neto, Claudio Henrique Fischer, Samira Saady Morhy

DOI: 10.1590/S1679-45082013000300023

Os contrastes ecocardiográficos à base de microbolhas estão aprovados para várias situações da prática clínica. Novos softwares, como a imagem em segunda harmônica e o power pulse inversion, podem melhorar a visualização do contraste no exame ecocardiográfico. Neste artigo, discutem-se o início da prática da ecocardiografia com contraste, as novas tecnologias que ajudam na aquisição e melhora da imagem, e seu uso no infarto do miocárdio.

Efeito da implementação de um protocolo assistencial de infarto agudo do miocárdio sobre os indicadores de qualidade

Marcia Makdisse, Marcelo Katz, Alessandra da Graça Corrêa, Luciano Monte Alegre Forlenza, Marco Antonio Perin, Fábio Sândoli de Brito Júnior, [...]

DOI: 10.1590/S1679-45082013000300016

Objetivo:Avaliar a adesão aos indicadores de qualidade assistencial ao longo da implementação de um protocolo assistencial de infarto agudo do miocárdio.MÉTODOS:Em 1º de março de 2005 foi implementado o protocolo assistencial de infarto agudo do miocárdio. Foram selecionados pacientes admitidos de 1ºde março de 2005 a 31 de dezembro de 2012 (n=1.431). Para comparação, utilizamos os dados de pacientes admitidos por infarto na fase pré-protocolo (n=306). Comparamos a taxa de adesão aos indicadores (taxa de prescrição de AAS na admissão […]

Sintomas depressivos em pacientes com síndrome coronariana aguda

Aline Pardo de Mello, Antonio Carlos de Camargo Carvalho, Elisa Mieko Suemitsu Higa

DOI: 10.1590/s1679-45082011ao1721

RESUMOObjetivo:Traçar o perfil epidemiológico da amostra, verificar a presença de sintomas de depressão em pacientes com diagnóstico prévio de síndrome coronariana aguda e identificar os fatores contribuintes para a manutenção dos sintomas de depressão na amostra estudada.Métodos:Estudo transversal realizado no Ambulatório de Cardiologia da Universidade Federal de São Paulo. Foi aplicado um instrumento elaborado pelos autores, baseado em estudos semelhantes, com dados de identificação dos pacientes, questões relacionadas ao acompanhamento psicológico, relacionamento com familiares e amigos, além da aplicação do […]

Relação entre a análise bioquímica e ecocardiográfica tridimensional e bidimensional em pacientes com infarto do miocárdio com supradesnivelamento do segmento ST tratados por via percutânea

Marcelo Luiz Campos Vieira, Wercules Antônio Oliveira, Alexandre Ferreira Cury, Adriana Cordovil, Ana Clara Tude Rodrigues, Gustavo Alberto Frazatto Naccarato, [...]

DOI: 10.1590/s1679-45082010ao1438

RESUMOObjetivo:O prognóstico dos pacientes portadores de infarto agudo do miocárdico depende de múltiplos aspectos que espelhem o grau de agressão ao miocárdio (como marcadores enzimáticos de necrose miocárdica), assim como dos mecanismos de adaptação ao evento agudo. O objetivo do estudo foi verificar a associação entre os achados bioquímicos e ecocardiográficos derivados da análise ecocardiográfica transtorácica tridimensional (ECO 3D) com a fração de ejeção do ventrículo esquerdo (ECO 2D) em pacientes acometidos por infarto agudo do miocárdio com supradesnivelamento do […]