6 results

Avaliação de dor em idosos dementados: validação da versão brasileira da escala PACSLAC

Karol Bezerra Thé, Fernanda Martins Gazoni, Guilherme Liausu Cherpak, Isabel Clasen Lorenzet, Luciana Alves dos Santos, Edlene Maria Nardes, [...]

DOI: 10.1590/S1679-45082016AO3628

RESUMOObjetivoValidar o Pain Assessment Checklist for Seniors with Limited Ability to Communicate – Portuguese em idosos dementados e analisar as propriedades de suas medições.Métodos Foram avaliados 50 idosos dementados, residentes de uma casa de repouso e com capacidade de comunicação verbal limitada, quando expostos a situações potencialmente dolorosas. A ferramenta foi utilizada em dois momentos diferentes. Primeiro, foi aplicada por dois entrevistadores simultaneamente, e a intensidade da dor foi questionada com base na opinião do cuidador. Depois de 14 dias, […]

Adaptação cultural e validação da reprodutibilidade da versão em português (Brasil) da escala de dor Pain Assessment in Advanced Dementia (PAINAD-Brasil) em pacientes adultos não comunicantes

Marcia Carla Morete Pinto, Fabiola Peixoto Minson, Ana Carolina Biagioni Lopes, Claudia Regina Laselva

DOI: 10.1590/S1679-45082015AO3036

Objetivos Realizar adaptação semântica e cultural para o português do Brasil da escala Pain Assessment in Advanced Dementia (PAINAD), e avaliar suas propriedades psicométricas (validade, viabilidade, concordância interavaliadores e utilidade clínica).MétodosEstudo descritivo, transversal e retrospectivo, que ocorreu em duas fases: validação semântica e cultural da versão portuguesa da escala e estudo de suas propriedades psicométricas (validade, fiabilidade e utilidade clínica). A amostra foi constituída por 63 pacientes internados com défice neurológicos incapazes de realizarem o autorrelato de sua dor.ResultadosO processo […]

As influências de diferentes frequências da estimulação elétrica nervosa transcutânea no limiar e intensidade de dor em indivíduos jovens

Adriana de Oliveira Gomes, Ana Caroline Silvestre, Cristina Ferreira da Silva, Mariany Ribeiro Gomes, Maria Lúcia Bonfleur, Gladson Ricardo Flor Bertolini

DOI: 10.1590/s1679-45082014ao3092

Objetivo Investigar os efeitos de diferentes frequências da estimulação elétrica nervosa transcutânea na nocicepção, frente a um estímulo doloroso pressórico e ao frio, em indivíduos saudáveis.Métodos Participaram 20 indivíduos saudáveis, divididos em 4 grupos, sendo que todos passaram por todas as formas de eletroestimulação, em semanas diferentes. As avaliações ocorreram nos seguintes períodos: pré-aplicação, pós-aplicação, 20 e 60 minutos após a eletroestimulação. Para avaliar o limiar de dor à pressão, foi utilizado um algômetro com ponta afilada, pressionando na região […]

Dor crônica relacionada à qualidade do sono

Leandro Freitas Tonial, José Stechman Neto, Wagner Hummig

DOI: 10.1590/S1679-45082014AO2825

ObjetivoDeterminar a relação entre os graus de dor crônica e os níveis de sonolência.MétodosParticiparam 115 pacientes que responderam ao questionário usado como critério diagnóstico na pesquisa. Após avaliação segundo protocolo de registro de dor crônica RDC/TMD − Eixo II, aplicou-se a Escala de Sonolência de Epworth para verificar os níveis de sonolência.ResultadosDentre os pacientes participantes havia mais mulheres (80%) e o tipo de dor mais prevalente era crônica (70,4%). Na relação dos graus de dor crônica, predominou o grau II […]

Polipectomia endometrial histeroscópica: tratamento ambulatorial versus convencional

Angela Mendes Bergamo, Daniella de Batista Depes, Ana Maria Gomes Pereira, Taciana Cristina Duarte de Santana, Umberto Gazi Lippi, Reginaldo Guedes Coelho Lopes

DOI: 10.1590/S1679-45082012000300012

Objetivo:Comparar resultados da polipectomia histeroscópica endometrial efetuada ambulatorialmente, sem anestesia, com polipectomia histeroscópica convencional sob anestesia, em centro cirúrgico, avaliando taxa de sucesso, tempo de procedimento e complicações. Mensurar dor aferida pela paciente nos dois grupos.MÉTODOS:Estudo transversal observacional de 60 pacientes com diagnóstico histeroscópico de pólipo endometrial divididas em dois grupos: Grupo Ambulatorial, composto por pacientes submetidas à polipectomia histeroscópica ambulatorial, utilizando-se pinça endoscópica em histeroscópio operatório ambulatorial de fluxo contínuo, por meio de vaginoscopia sem anestesia, e Grupo Convencional […]

Avaliação da dor na histeroscopia diagnóstica ambulatorial com gás

Daniela Barreto Fraguglia Quental Diniz, Daniella de Batista Depes, Ana Maria Gomes dos Santos, Simone Denise David, Salete Yatabe, Reginaldo Guedes Coelho Lopes

DOI: 10.1590/s1679-45082010ao1342

RESUMOObjetivo:Avaliar a intensidade da dor referida pelas pacientes submetidas à histeroscopia diagnóstica ambulatorial.Métodos:Exame realizado com ótica de 5 mm, espéculo, pinçamento do colo com Pozzi e distensão da cavidade uterina com dióxido de carbono. Antes e depois do exame, as pacientes foram entrevistadas para definir, em uma escala verbal de 0 a 10, valores para expectativa de dor e dor experimentada após seu término, e também se elas repetiriam o exame se houvesse indicação. Os dados foram analisados no Statistical […]