einstein (São Paulo). 01/mar/2013;11(1):23-31.

Uma proposta para graduar a gravidade de disfunção precoce do enxerto após o transplante de fígado

Paolo Salvalaggio, Rogerio Carballo Afonso, Guilherme Felga, Ben-Hur Ferraz-Neto

DOI: 10.1590/S1679-45082013000100006

Objetivo:
Propor um sistema de graduação para a disfunção precoce do enxerto hepático.
MÉTODOS:
Estudo retrospectivo de um único centro transplantador. Foram incluídos receptores de transplante hepático por doador falecido transplantados pelo sistema MELD. A disfunção precoce do enxerto foi definida segundo os critérios de Olthoff. Diversos pontos de corte para testes de laboratório pós-transplante foram utilizados para criar um sistema de graduação da disfunção precoce do enxerto. O principal desfecho foi a perda do enxerto aos 6 meses.
RESULTADOS:
O pico de aminotransferases durante a primeira semana pós-operatória se correlacionou com a perda do enxerto. Os receptores foram divididos em disfunção precoce do enxerto leve (pico de aminotransferases >2.000UI/mL, mas <3.000UI/mL); moderada (pico de aminotransferases>3.000 UI/mL); e grave (pico de aminotransferases >3.000UI/mL + International Normalized Ratio >1,6 e/ou bilirrubina >10mg/dL no 7º dia pós-operatório). Disfunções precoces moderada e grave, foram fatores de risco independentes para a perda do enxerto. Pacientes com disfunção precoce leve apresentaram sobrevida do enxerto e do paciente comparável àqueles sem disfunção do enxerto. Contudo, aqueles com disfunção precoce moderada tiveram pior sobrevida do enxerto comparada aos que não tiveram disfunção do enxerto. Pacientes com disfunção precoce grave tiveram sobrevida do enxerto e do paciente pior do que os outros grupos.
CONCLUSÃO:
Disfunção precoce do enxerto pode ser graduada por meio de um critério simples e confiável, baseado no pico de aminotransferases durante a primeira semana de pós-operatório. A gravidade da disfunção precoce do enxerto é um fator de risco independente para a perda do enxerto. Pacientes com disfunção precoce moderada tiveram pior sobrevida do enxerto. Receptores com disfunção precoce grave tiveram um prognóstico significativamente pior de sobrevida do enxerto e do paciente.

Uma proposta para graduar a gravidade de disfunção precoce do enxerto após o transplante de fígado

48

Comentários