einstein (São Paulo). 01/dez/2011;9(4):499-502.

O valor da histeroscopia diagnóstica com biópsia no pré-operatório de ablação endometrial

Salete Yatabe, Ana Maria Gomes Pereira, Gilberto Kendi Takeda, Daniela de Baptista Depes, Reginaldo Guedes Coelho Lopes

DOI: 10.1590/s1679-45082011ao2094

RESUMO
Objetivo:
Analisar o valor da biópsia de endométrio no pré-operatório de ablação endometrial.
Métodos:
Estudo prospectivo não randomizado realizado no setor de Endoscopia Ginecológica do Hospital do Servidor Estadual “Francisco Morato de Oliveira” de março de 2007 a maio de 2009, de 45 pacientes encaminhadas por sangramento uterino anormal com indicação de ablação do endométrio. Todas as pacientes tinham histeroscopia diagnóstica prévia à cirurgia e receberam análogo de GnRH – goserelina – 10,8 mg subcutânea no pré-operatório. A ablação de endométrio foi realizada com ressectoscópio cirúrgico. Foram realizadas: uma biópsia dirigida, uma biópsia orientada com cureta de Novak e, em seguida, a ablação, enviando-se o produto dessa (considerado como referência) e o das biópsias para exame anatomopatológico. O teste exato de Fisher foi utilizado para comparar os três tipos de biópsia. Nível de significância foi estabelecido em p = 0,05.
Resultados:
A média de idade das pacientes foi de 44,20 anos (33-56), paridade de 2,67 filhos (0-9), volume uterino 139,99 cc (42-278) e sintomas em anos média de 3,68 (0,5-15). A biópsia orientada apresentou para endométrio sem atipias maior sensibilidade (80%) que a biópsia dirigida (60%). Para o resultado de endométrio proliferativo e secretor, a biópsia dirigida apresentou sensibilidade de 76 e 100%, respectivamente, superior à orientada (53 e 50%)..
Conclusão:
A biópsia dirigida prévia à ablação do endométrio tem menor sensibilidade que a orientada para endométrio sem atipias, porém maior para endométrio proliferativo e secretor.

O valor da histeroscopia diagnóstica com biópsia no pré-operatório de ablação endometrial

2.616

Comentários