einstein (São Paulo). 01/abr/2017;15(2):141-7.

Variabilidade da frequência cardíaca com base na estratificação de risco para diabetes mellitus tipo 2

Julia Silva-e-Oliveira, Pâmela Marina Amélio, Isabela Lopes Laguardia Abranches, Dênis Derly Damasceno, Fabianne Furtado

DOI: 10.1590/S1679-45082017AO3888

RESUMO

Objetivo

Avaliar a variabilidade da frequência cardíaca em adultos com diferentes níveis de risco para diabetes mellitus tipo 2.

Métodos

O grau de risco para diabetes mellitus tipo 2 de 130 participantes (41 homens) foi avaliado pelo questionário Finnish Diabetes Risk Score. Os participantes foram classificados em baixo risco (n=26), risco levemente elevado (n=41), risco moderado (n=27) e alto risco (n=32). Para medir a variabilidade da frequência cardíaca, utilizou-se o frequencímetro Polar S810i® para obter séries de intervalo RR para cada indivíduo, em repouso, durante 5 minutos; posteriormente, realizou-se análise por meio de índices lineares e não-lineares.

Resultados

O grupo com maior risco para diabetes mellitus tipo 2 teve uma diminuição significante nos índices lineares e não-lineares da variabilidade da frequência cardíaca.

Conclusão

Os resultados apontam que indivíduos com risco alto para diabetes mellitus tipo 2 tem menor variabilidade da frequência cardíaca.

Variabilidade da frequência cardíaca com base na estratificação de risco para diabetes mellitus tipo 2

Comentários