einstein (São Paulo). 10/set/2018;16(3):eAO4146.

Tipos e frequência de erros no preparo e na administração de medicamentos endovenosos

Josiane Ribeiro Mendes ORCID logo , Maria Carolina Barbosa Teixeira Lopes ORCID logo , Cássia Regina Vancini-Campanharo ORCID logo , Meiry Fernanda Pinto Okuno ORCID logo , Ruth Ester Assayag Batista ORCID logo

DOI: 10.1590/S1679-45082018AO4146

RESUMO

Objetivo:

Identificar a compatibilidade, os tipos e a frequência de erros no preparo e na administração de medicamentos endovenosos.

Métodos:

Estudo transversal e descritivo, realizado em um serviço de emergência de um hospital universitário da cidade de São Paulo (SP). A amostra foi constituída por 303 observações do preparo e administração de medicamentos endovenosos por auxiliares, técnicos de enfermagem e enfermeiros, tendo como instrumento um roteiro sistematizado, do tipo checklist. As variáveis coletadas foram: erro de dispensação, omissão, horário, administração não autorizada, dose, apresentação, incompatibilidade, e erros de preparo e administração.

Resultados:

Na etapa de preparo, foram identificados os seguintes erros: não higienização das mãos (70,29%) e não usar técnica asséptica (80,85%). Na etapa de administração, 81,18% não higienizaram as mãos, e 84,81% não usaram a técnica asséptica. Em 31,35% das observações, existia mais de uma medicação no mesmo horário para o mesmo paciente; destas 17,89% eram compatíveis, 56,84% incompatíveis e 25,26% não foram testadas, conforme análise feita na base de dados Micromedex.

Conclusão:

Tanto na etapa do preparo quanto na de administração, os erros mais frequentes foram a não higienização das mãos e o não uso de técnica asséptica, apontando para a necessidade de desenvolvimento e implantação de programas de educação centrados na segurança do paciente.

Tipos e frequência de erros no preparo e na administração de medicamentos endovenosos

Comentários