einstein (São Paulo). 01/jan/2011;9(1 Pt 1):36-45.

Papel das células-tronco derivadas do tecido adiposo na progressão da doença renal

Cassiano Donizetti-Oliveira, Patricia Semedo, Marina Burgos-Silva, Marco Antonio Cenedeze, Denise Maria Avancini Costa Malheiros, Marlene Antônia dos Reis, Alvaro Pacheco-Silva, Niels Olsen Saraiva Câmara

DOI: 10.1590/S1679-45082011AO1833

RESUMO

Objetivo:

Analisar o papel das células-tronco derivadas do tecido adiposo na redução da progressão da fibrose renal.

Métodos:

células-tronco derivadas do tecido adiposo foram isoladas de camundongos C57Bl/6 e caracterizadas por citometria e diferenciação. Fibrose renal foi instaurada após clampeamento unilateral do pedículo renal por 1 hora. Após 4 horas de reperfusão, 2.105 células-tronco derivadas do tecido adiposo foram administradas por via intraperitoneal, e os animais foram acompanhados por 24 horas e 6 semanas. Em outro grupo de experimentos, 2.105 células-tronco derivadas do tecido adiposo foram administradas somente após 6 semanas de reperfusão, e os animais foram sacrificados e estudados 4 semanas mais tarde. Após 24 horas da reperfusão, animais tratados com células-tronco derivadas do tecido adiposo apresentaram reduzida disfunção renal e tubular, além de aumento do processo regenerativo. Expressão renal de RNAm de IL-6 e TNF foi diminuída nos animais tratados com células-tronco derivadas do tecido adiposo, enquanto IL-4, IL-10 e HO-1 foram aumentadas, apesar de células-tronco derivadas do tecido adiposo não serem observadas nos rins por meio da análise SRY.

Resultados:

Em 6 semanas, os rins dos animais não tratados diminuíram; no entanto, os rins dos animais tratados com células-tronco derivadas do tecido adiposo permaneceram com o tamanho normal e apresentaram menor deposição de colágeno tipo 1 e FSP-1. Proteção renal observada em animais tratados com células-tronco derivadas do tecido adiposo foi seguida por redução nos níveis séricos de TNF-α, KC, RANTES e IL-1a. O tratamento com células-tronco derivadas do tecido adiposo após 6 semanas, quando os animais já apresentavam fibrose instalada, demonstrou melhora em parâmetros funcionais e menos fibrose, analisada pela coloração de Picrosirius, e redução da expressão de RNAm de colágeno tipo I e vimentina.

Conclusão:

A terapia com células-tronco derivadas do tecido adiposo pode deter a progressão da fibrose renal, pela modulação da resposta inflamatória precoce, provavelmente por meio da redução da transição epitelial-mesenquimal.

Papel das células-tronco derivadas do tecido adiposo na progressão da doença renal

Comentários