einstein (São Paulo). 01/set/2012;10(3):278-85.

O sistema MELD e a mortalidade em lista de espera para transplante de fígado em países em desenvolvimento: lições aprendidas em São Paulo

Paolo Salvalaggio, Rogerio Carballo Afonso, Luiz Augusto Pereira, Ben-Hur Ferraz-Neto

DOI: 10.1590/S1679-45082012000300004

Objetivo:
Este estudo foi desenhado para avaliar os resultados da nova política de alocação em relação à mortalidade na lista de espera.
MÉTODOS:
O banco de dados de transplante hepático do Estado de São Paulo foi revisado de forma retrospectiva, de julho de 2003 até julho de 2009. Os pacientes foram divididos naqueles transplantados antes (Grupo Pré-MELD) e depois (Grupo Pós-MELD) da implementação do sistema MELD (Model for End-stage Liver Disease). Foram incluídos apenas os candidatos adultos para transplante de fígado. O desfecho primário foi a mortalidade na lista de espera.
RESULTADOS:
A taxa não ajustada de óbitos na lista de espera diminuiu significativamente após a implementação do sistema MELD (de 91,2 para 33,5/1.000 pacientes por ano; p<0,0001). A análise multivariada mostrou uma queda significativa no risco de morte na lista de espera para pacientes após o MELD (HR de 0,34; p<0,0001). Atualmente, 48% dos pacientes são transplantados no primeiro ano na lista (versus 23% na era pré-MELD; p<0,0001). A sobrevida dos pacientes e do enxerto não mudou com a implementação do MELD.
CONCLUSÃO:
Houve redução no tempo de espera e na mortalidade na lista após implementação do sistema MELD em São Paulo. Os pacientes na lista no período pós-MELD apresentaram uma redução significativa no risco de mortalidade na lista de espera. Não houve mudanças nos resultados após o transplante. O MELD pode ser utilizado com sucesso para alocação para transplante fígado em países em desenvolvimento.

O sistema MELD e a mortalidade em lista de espera para transplante de fígado em países em desenvolvimento: lições aprendidas em São Paulo

51

Comentários