einstein (São Paulo). 01/abr/2017;15(2):178-85.

Efeito da transecção do parênquima hepático associada ou não à ligadura contralateral da veia porta na regeneração hepática

Henrique de Aguiar Wiederkehr, Julio Cesar Wiederkehr, Luiz Martins Collaço, Eros Luiz de Sousa, Paolo Salvalaggio, Caroline Aragão de Carvalho, Barbara de Aguiar Wiederkehr, Camila Aparecida Moraes Marques, Francielle França da Rosa, Felipe de Negreiros Nanni, Taíse Fuchs

DOI: 10.1590/S1679-45082017AO3831

RESUMO

Objetivo

Analisar a influência da ligadura da tributária da veia porta no estímulo regenerativo hepático por meio de critérios imuno-histoquímicos.

Métodos

Dez suínos, divididos em dois grupos de cinco animais, foram submetidos à hepatectomia em dois estágios, sendo que os grupos foram diferenciados pela ligadura ou não da tributária da veia porta, responsável pela vascularização dos lobos lateral e medial esquerdos do fígado do suíno. Cinco dias após o procedimento, os animais foram reabordados para retirada de amostras hepáticas para posterior análise de histológica e imunoistoquímica com o marcador Ki67.

Resultados

O grupo submetido à hepatectomia com ligadura vascular apresentou incremento de 4% aproximadamente de hepatócitos em processo de regeneração, bem como grande número de células de Kupffer e células inflamatórias, quando comparado ao controle.

Conclusão

Em virtude da análise positiva da replicação celular observada por meio do marcador Ki67, pode-se observar que a ligadura de uma tributária da veia porta promoveu um maior estímulo de regeneração hepática, efeito observado com menor intensidade no grupo submetido apenas à ressecção hepática.

Efeito da transecção do parênquima hepático associada ou não à ligadura contralateral da veia porta na regeneração hepática

Comentários