einstein (São Paulo). 01/abr/2017;15(2):186-91.

Ação da vanilina (Vanilla planifolia) sobre a morfologia dos músculos tibial anterior e sóleo após lesão nervosa

Ana Luiza Peretti, Juliana Sobral Antunes, Keli Lovison, Regina Inês Kunz, Lidyane Regina Gomes Castor, Rose Meire Costa Brancalhão, Gladson Ricardo Flor Bertolini, Lucinéia de Fátima Chasko Ribeiro

DOI: 10.1590/S1679-45082017AO3967

RESUMO

Objetivo

Avaliar a ação da vanilina (Vanilla planifolia) sobre a morfologia dos músculos tibial anterior e sóleo após lesão nervosa periférica.

Métodos

Ratos Wistar foram divididos em quatro grupos, com sete animais cada, sendo Grupo Controle, Grupo Vanilina, Grupo Lesão e Grupo Lesão + Vanilina. Os animais dos Grupos Lesão e Grupo Lesão + Vanilina foram submetidos à lesão nervosa por meio da compressão do nervo isquiático, e os Grupos Vanilina e Grupo Lesão + Vanilina foram tratados diariamente com doses orais de vanilina (150mg/kg) do 3

ao 21

dia após a indução da lesão nervosa. Ao término do experimento, os músculos tibial anterior e sóleo foram dissecados e seguiram o processamento de rotina em microscopia de luz, para posterior análise morfológica.

Resultados

A compressão nervosa promoveu alterações morfológicas características de denervação, sendo que o tratamento com vanilina foi responsável por respostas distintas nos músculos estudados. Para o tibial anterior, houve aumento do número de células satélites, núcleos centrais e atrofia das fibras, bem como desorganização fascicular. Já no sóleo, houve apenas aumento da vascularização, sem exacerbação das alterações morfológicas nas fibras.

Conclusão

O tratamento com vanilina promoveu o aumento da vascularização intramuscular para os músculos estudados, com potencial pró-inflamatório para o tibial anterior, o que não ocorreu no músculo sóleo.

Ação da vanilina (Vanilla planifolia) sobre a morfologia dos músculos tibial anterior e sóleo após lesão nervosa

Comentários