einstein (São Paulo). 04/jul/2018;16(2):eAO4248.

Câncer de boca e orofaringe: epidemiologia e análise da sobrevida

Juliana da Silva Moro, Marília Cunha Maroneze, Thiago Machado Ardenghi, Luisa Machado Barin, Cristiane Cademartori Danesi

DOI: 10.1590/S1679-45082018AO4248

RESUMO

Objetivo

Avaliar o perfil epidemiológico e a taxa de sobrevida do câncer de boca e orofaringe de pacientes atendidos em um hospital universitário.

Métodos

Foi realizado um estudo transversal por meio dos laudos anatomopatológicos dos pacientes com câncer de boca e orofaringe atendidos em um hospital universitário, na Região Sul, entre janeiro de 2004 a dezembro de 2014. A partir destes laudos, foram coletadas informações sobre o paciente e o tumor. A taxa de mortalidade foi obtida do registro de óbitos dos pacientes no Sistema de Informações sobre Mortalidade. Os dados foram analisados utilizando a curva de sobrevida pelo método de Kaplan-Meier e o teste de log-rank para a comparação das variáveis.

Resultados

As taxas de sobrevida em 5 e 10 anos foram 42% e 38%, respectivamente. A localização anatômica apresentou associação significativa com a taxa de sobrevida (p=0,001), sendo que, em lábio, os índices foram melhores (p=0,04) e, em orofaringe, piores (p=0,03). Não houve diferenças estatisticamente significantes entre as taxas de sobrevida de acordo com idade, sexo, etnia, nível educacional e grau histológico.

Conclusão

As taxas de sobrevida do câncer de boca e orofaringe foram baixas e associadas à localização anatômica do tumor.

Câncer de boca e orofaringe: epidemiologia e análise da sobrevida

Comentários