einstein (São Paulo). 01/dez/2015;13(4):555-9.

A saúde do osso na paralisia cerebral e a introdução de uma nova terapia

Morton Aaron Scheinberg, Ricardo Prado Golmia, Adriana Maluf Elias Sallum, Maria Guadalupe Barbosa Pippa, Aline Pinheiros dos Santos Cortada, Telma Gomes da Silva

DOI: 10.1590/S1679-45082015AO3321

RESUMO
Objetivo
Avaliar o estado de saúde dos ossos em crianças com paralisia cerebral e o efeito terapêutico do denosumabe em um subgrupo de crianças com paralisia cerebral e redução da massa óssea.
Métodos
Crianças com paralisia cerebral foram avaliadas de acordo com seu escore de incapacidade motora (sistema de classificação para funções motoras grossas, de III a V), e marcadores de turnover ósseo. Dual de absorção de energia de raios X foi utilizado para medir a coluna lombar e total do corpo menos cabeça. Posteriormente, um grupo de crianças com paralisia cerebral e osteoporose foi tratado com denosumabe, um anticorpo monoclonal totalmente humano. Marcadores de remodelação óssea foram medidos antes e três meses após o tratamento.
Resultados
Houve uma redução da densidade óssea, particularmente em crianças com maior comprometimento do escore motor; os marcadores de remodelação óssea diminuíram em um grupo selecionado de crianças três meses depois de terem sido expostas ao denosumabe.
Conclusão
A perda óssea esteve presente em crianças com importante comprometimento das funções motoras, além da redução nos níveis séricos de marcadores de reabsorção óssea com novos tratamentos.

A saúde do osso na paralisia cerebral e a introdução de uma nova terapia

81

Comentários