einstein (São Paulo). 01/set/2011;9(3):332-6.

Prevalência de infecção por Chlamydia trachomatis em mulheres assistidas no ambulatório de patologia do trato genital inferior da Faculdade de Medicina de Jundiaí, Brasil

João Bosco Ramos Borges, Ana Carolina Marchesini, Luciana Francine Bocchi De Stefani, Marcus Vinícius Gonçalves Belintani, Thaís Andrea dos Santos

DOI: 10.1590/s1679-45082011ao2002

RESUMO
Objetivo:
Estimar a prevalência de Chlamydia trachomatis numa população de alto risco para doenças sexualmente transmissíveis, comparar com os dados da literatura e da população geral do próprio município e verificar sua associação com as alterações citopatológicas induzidas pelo papilomavírus humano.
Métodos:
Foram colhidos 28 exames de captura híbrida para C. trachomatis entre as pacientes referendadas ao Ambulatório de Patologia do Trato Genital Inferior da Secretaria Municipal de Saúde de Jundiaí e os dados foram comparados aos da literatura e com os resultados do mesmo exame aplicado à população geral da cidade de Jundiaí (SP).
Resultados:
Três (10,7%) exames foram positivos na amostra das pacientes referendadas e não houve associação positiva entre a infecção por C. trachomatis e a presença ou o agravo de neoplasia intraepitelial cervical..
Conclusão:
O presente estudo mostra uma prevalência elevada de infecção por C. trachomatis na população referendada, mas não consegue associála à infecção por papilomavírus humano, provavelmente devido ao número reduzido de pacientes da amostra. Além disso, reforça-se a necessidade de programas de detecção de C. trachomatis, sobretudo em pacientes sintomáticas ou com alterações no colo uterino.

Prevalência de infecção por Chlamydia trachomatis em mulheres assistidas no ambulatório de patologia do trato genital inferior da Faculdade de Medicina de Jundiaí, Brasil

64

Comentários