einstein (São Paulo). 01/set/2010;8(3):308-14.

Morbidade em recém-nascidos de acordo com a via de parto: um estudo comparativo

Maria Cecilia Santa Cruz Breim, Conceição Aparecida de Mattos Segre, Umberto Gazi Lippi

DOI: 10.1590/s1679-45082010ao1658

RESUMO
Objetivo:
Analisar comparativamente os efeitos dos tipos de parto sobre a saúde do recém-nascido em maternidade privada da cidade de São Paulo.
Métodos:
Entre janeiro de 1995 e dezembro de 1998, incluíram-se no estudo transversal retrospectivo todas as pacientes consecutivamente internadas para dar à luz. Foram analisados 8.457 prontuários, excluídas 460 gestações múltiplas e 517 gestantes com afecções obstétricas e/ou clínicas. Foram analisadas as incidências de tocotraumatismo, desconforto respiratório e anoxia, avaliando-se o peso ao nascer, o tipo de parto e a idade gestacional (conforme Näegele e Capurro).
Resultados:
A amostra final constituiu-se de 7.480 recém-nascidos, sendo que 69,6% nasceram por cesárea, 24% por parto normal e 6,4% com auxílio de fórcipe. Houve associação significativa entre anoxia e os três tipos de parto (p < 0,001). O desconforto respiratório foi mais frequente no parto tipo cesárea em recém-nascidos com mais de 37 semanas de idade gestacional e em recém-nascidos com peso maior ou igual a 2.500 g. Essa complicação teve associação significativa com parto cesariano e/ou fórcipe, mas não com parto normal na amostra total. O tocotraumatismo associou-se ao uso do fórcipe. Em recém-nascidos por cesárea, a anoxia associou-se à menor idade gestacional estimada pelo método de Capurro e ao menor peso.
Conclusões:
A via abdominal incorre em maior morbidade para o feto em termos de desconforto respiratório. O parto vaginal mostrou-se mais seguro para recém-nascidos com idade gestacional superior a 37 semanas e em recém-nascidos com peso maior que 2.500 g.

Morbidade em recém-nascidos de acordo com a via de parto: um estudo comparativo

46

Comentários