einstein (São Paulo). 01/set/2010;8(3):315-9.

Frequência de hemorragia peri-intraventricular e seus fatores associados em recém-nascidos prematuros

Evelyn Arrais Guzman, José Ricardo Dias Bertagnon, Yara Juliano

DOI: 10.1590/s1679-45082010ao1632

RESUMO
Objetivo:
Identificar a frequência de hemorragia peri-intraventricular e levantar seus fatores associados em recém-nascidos prematuros.
Métodos:
Realizou-se um estudo transversal com levantamento de prontuários de recém-nascidos prematuros que realizaram ultrassonografia transfontanelar no ano de 2007 em um hospital da periferia da zona sul da cidade de São Paulo.
Resultados:
Foram encontradas frequência de 50% entre os recém-nascidos prematuros que realizaram ultrassonografia transfontanelar e frequência de 15,35% dentre todos os recém-nascidos prematuros nesse hospital no ano de 2007. Observaram-se, como fatores associados à hemorragia intracraniana estatisticamente significativos, idade gestacional menor que 32 semanas, ausência de assistência ao pré-natal, necessidade de ventilação mecânica invasiva, infecção, infusão de derivados sanguíneos, doença de membranas hialinas, hiponatremia e hiperglicemia.
Conclusões:
A frequência de hemorragia peri-intraventricular foi de 50% nos pacientes de risco e de 15,35% entre todos os recém-nascidos prematuros e seus fatores associados foram idade gestacional menor que 32 semanas, ausência de assistência ao pré-natal, necessidade de ventilação mecânica invasiva, infecção, infusão de derivados sanguíneos, doença de membranas hialinas, hiponatremia e hiperglicemia.

Frequência de hemorragia peri-intraventricular e seus fatores associados em recém-nascidos prematuros

63

Comentários