einstein (São Paulo). 01/set/2013;11(3):331-7.

Fatores que interferem na adesão terapêutica medicamentosa em hipertensos

Ana Carolina Queiroz Godoy Daniel, Eugenia Velludo Veiga

DOI: 10.1590/S1679-45082013000300012

Objetivo:
Caracterizar os fatores que interferem na adesão terapêutica medicamentosa de portadores de hipertensão arterial.
MÉTODOS:
Estudo de caráter descritivo, de natureza não experimental, que analisou uma amostra de 80 pacientes com diagnóstico de hipertensão arterial submetidos a tratamento medicamentoso e internados em um hospital universitário, no período de março a maio de 2009. Para a obtenção dos dados, foi aplicado o Instrumento para Avaliar Atitudes Frente à Tomada dos Remédios.
RESULTADOS:
Dentre a população estudada, 45,1% apresentaram suficiente grau de adesão à terapêutica medicamentosa. Indivíduos com pressão arterial controlada, gênero feminino, brancos, solteiros, casados ou viúvos, aposentados, de faixa etária entre 40 e 59 anos e aqueles com idade igual ou superior a 80 anos foram os entrevistados que responderam de maneira positiva ao cumprimento e seguimento da terapêutica medicamentosa.
CONCLUSÃO:
Apesar do número de fatores facilitadores ao processo de adesão à terapêutica medicamentosa ser maior do que o número de fatores dificultadores, observou-se que mais da metade dos pacientes entrevistados apresentou insuficiente grau de adesão à tomada de medicamentos para a hipertensão arterial. Isso demonstra a necessidade de desenvolvimento de estudos voltados à identificação desses fatores, bem como sua contribuição para a promoção de autonomia, aceitação, conhecimento e adaptação do paciente em relação à sua própria doença.

Fatores que interferem na adesão terapêutica medicamentosa em hipertensos

59

Comentários