einstein (São Paulo). 01/ago/2018;16(3):eAO4245.

Estudo caso-controle de índices de doenças bucais em indivíduos com câncer de cabeça e pescoço após terapia antineoplásica

Reyna Aguilar Quispe ORCID logo , Adrielle Lindolpho Cremonesi ORCID logo , Jeanne Kelly Gonçalves ORCID logo , Cassia Maria Fischer Rubira ORCID logo , Paulo Sérgio da Silva Santos ORCID logo

DOI: 10.1590/S1679-45082018AO4245

RESUMO

Objetivo

Avaliar a saúde bucal de pacientes com câncer de cabeça e pescoço após tratamento antineoplásico, e compará-los com pacientes sem histórico de câncer.

Métodos

Foram avaliados 75 pacientes, divididos em Grupo de Estudo de indivíduos após tratamento antineoplásico (n=30) e Grupo de Controle de indivíduos sem histórico de câncer (n=45), com faixa etária de 35 a 79 anos. A condição de saúde oral foi avaliada pelo índice de dentes permanentes cariados, perdidos e obturados (CPOD), pelo índice periodontal comunitário e por uma avaliação de uso e necessidade de prótese, conforme critérios preconizados pela Organização Mundial da Saúde. A análise estatística foi descritiva e realizada por meio do teste do χ2 de Pearson.

Resultados

O índice periodontal comunitário foi maior no Grupo de Estudo quando comparado ao controle (p<0,0001). A necessidade de prótese superior (p<0,001) e inferior (p<0,0001) foi maior no Grupo de Estudo. O uso de prótese superior foi maior no Grupo de Estudo (p<0,002). O índice de dentes permanentes cariados, perdidos e obturados entre os dois grupos (p>0,0506) e o uso de prótese inferior (p>0,214) não apresentaram diferença estatística relevante.

Conclusão

A doença periodontal e o edentulismo são as alterações mais significativas em indivíduos que receberam terapia antineoplásica de câncer de cabeça e pescoço, assim como maior necessidade de reabilitação oral.

Estudo caso-controle de índices de doenças bucais em indivíduos com câncer de cabeça e pescoço após terapia antineoplásica

Comentários