einstein (São Paulo). 01/mar/2013;11(1):71-5.

Candidíase invasiva e alterações bucais em recém-nascidos prematuros

José Endrigo Tinoco-Araujo, Diana Ferreira Gadelha Araújo, Patrícia Gomes Barbosa, Paulo Sérgio da Silva Santos, Ana Myriam Costa de Medeiros

DOI: 10.1590/S1679-45082013000100013

Objetivo:
Investigar a prevalência de candidíase invasiva em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal e avaliar alterações bucais e colonização bucal por Candida spp. em recém-nascidos prematuros com baixo peso.
MÉTODOS:
Estudo epidemiológico descritivo em duas etapas. Na primeira, analisou-se prevalência de candidíase invasiva em base de dados de 295 prematuros com tempo de internação superior a 10 dias e peso ao nascer inferior a 2.000g. Na segunda etapa, avaliaram-se alterações bucais e colonização por Candida spp. em 65 pacientes com peso inferior a 2.000g, com até 4 semanas de idade, internados há mais de 10 dias e apresentando alterações bucais compatíveis com lesões fúngicas. Coletaram-se amostras com swab bucal e identificou-se a colonização fúngica.
RESULTADOS:
Na análise da base de dados, constatou-se que a prevalência de candidíase foi de 5,4%. Houve correlação com o tempo prolongado de internação (p<0,001), que foi, em média, de 31 dias, com risco de desenvolver infecção de 85% nos primeiros 25 dias. Houve correlação com o baixo peso ao nascer (p<0,001), com média de 1.410g. No exame dos pacientes, constatou-se que as alterações bucais mais frequentes foram placas brancas, moles, destacáveis localizadas na mucosa jugal e língua. Houve colonização bucal expressiva por Candida spp. (80%).
CONCLUSÃO:
A frequência de candidíase invasiva foi baixa e teve correlação com baixo peso ao nascer e tempo de internação prolongado. As alterações bucais mais frequentes foram placas brancas compatíveis com candidíase pseudomembranosa e a colonização por Candida spp. foi acima da média.

Candidíase invasiva e alterações bucais em recém-nascidos prematuros

74

Comentários