einstein (São Paulo). 01/out/2017;15(4):415-20.

Associação entre deslocamento ativo e pressão arterial elevada em adolescentes

Fábio da Silva Santana, Aline Cabral Palmeira, Marcos André Moura dos Santos, Breno Quintella Farah, Bruna Cadengue Coêlho de Souza, Raphael Mendes Ritti-Dias

DOI: 10.1590/S1679-45082017AO4093

RESUMO

Objetivo:

Analisar a associação entre o deslocamento ativo e a pressão arterial elevada em adolescentes.

Métodos:

Trata-se de um estudo transversal com estudantes do Ensino Médio da rede pública estadual de Pernambuco. Os dados de 6.039 estudantes de 14 a 19 anos foram coletados mediante questionário. Foram considerados “insuficientemente ativos” aqueles que relataram que em nenhum dos dias da última semana realizaram deslocamentos a pé ou de bicicleta e/ou aqueles que, independentemente da frequência semanal de prática desta atividade, relataram que a duração do deslocamento para a escola era inferior a 20 minutos (ida e volta). A pressão arterial elevada foi obtida por meio do equipamento Omron HEM 742. Foram definidos como adolescentes com pressão arterial elevada aqueles com pressão arterial maior ou igual ao percentil 95 para idade, sexo e estatura. Recorreu-se à análise de regressão logística para verificar a associação entre deslocamento ativo e pressão arterial elevada, considerando ajustes para os fatores de confusão sexo, idade, sobrepeso, atividade física total, nível socioeconómico e zona de moradia.

Resultados:

A prevalência de pressão arterial elevada foi de 7,3% e de inatividade física no deslocamento foi de 79,3%. Foi verificada associação entre pressão arterial elevada e deslocamento ativo apenas entre aqueles que moram em zona rural (OR=6,498; IC95%=1,513-27,900). O mesmo não foi verificado entre aqueles que moravam na zona urbana (OR = 1,113; IC95%=0,812-1,526).

Conclusão:

O deslocamento ativo póde ser considerado fator de proteção para a pressão arterial elevada nos adolescentes que moravam na zona rural.

Associação entre deslocamento ativo e pressão arterial elevada em adolescentes

Comentários