einstein (São Paulo). 01/out/2010;8(4 Pt 1):495-7.

Apoptose e modelos in vivo para estudo das moléculas relacionadas a este fenômeno

Adriana Luchs, Claudia Pantaleão

DOI: 10.1590/S1679-45082010RB1685

RESUMO

A apoptose, ou morte celular programada, é um processo fisiológico essencial para a eliminação de células em excesso ou que não são mais necessárias ao organismo, atuando na homeostase dos tecidos; entretanto, esse fenômeno também está envolvido em condições patológicas. A apoptose promove a ativação de vias bioquímicas dentro das células, denominada via das caspases, proteínas responsáveis pela clivagem de diversos substratos celulares, levando as células à morte. Membros antiapoptóticos da família Bcl-2 (B cell CLL/lymphoma 2), pertencentes à via intrínseca de ativação das caspases, como Bcl-xL (B-cell lymphoma-extra large) e Bcl-w (Bcl-2-like 2) atuam predominantemente prevenindo que os membros pró-apoptóticos, como Bax (Bcl-2-associated X protein) e Bak (Bcl-2 relative bak) ocasionem a morte celular. Moléculas antiapoptóticas são consideradas potencialmente oncogênicas. Sabe-se que os modelos murinos são sistemas valiosos para a análise experimental de oncogenes in vivo, bem como para a identificação de alvos farmacológicos do câncer e para avaliar terapias antitumorais. Em vista da importância dos estudos de tumorigênese e respostas imunes contra o câncer e da possibilidade de investigar a participação de moléculas antiapoptóticas na progressão tumoral in vivo, o desenvolvimento de novos modelos poderá servir como plataforma para estudos de tumorigênese, respostas imunes antitumorais, investigação de expressão ectópica de moléculas antiapoptóticas e imunoterapias contra tumores.

Apoptose e modelos in vivo para estudo das moléculas relacionadas a este fenômeno

Comentários