einstein (São Paulo). 01/out/2010;8(4 Pt 1):404-9.

Administração de BAY 41-2272 previne disfunção vesical em ratos deficientes de oxido nítrico

Carlos Arturo Levi D'Ancona, Fabíola Zakia Taufic Mónica, Ricardo Reges, David Cohen, Fabio Henrique da Silva, Gilberto De Nucci, Edson Antunes

DOI: 10.1590/S1679-45082010AO1789

RESUMO

Objetivo:

avaliar os efeitos protetores do BAY 41-2272, um ativador solúvel da guanilato ciclase, sobre alteração dos parâmetros citométricos em ratos deficientes de óxido nítrico (NO).

Métodos:

os ratos foram divididos nos seguintes grupos: (a) controle; (b) DMSO (c) L-NAME; (d) BAY 41-2272 isolado; (e) L-NAME + BAY 41-2272. O bloqueador da NO-sintase L-NAME (20 mg/rato/dia) foi ministrado na água de beber, concomitantemente ou não com o BAY 41-2272 (10 mg/kg/dia, ministrado por gavagem).

Resultados:

o tratamento crônico com L-NAME aumentou de forma acentuada a pressão arterial média, e o co-tratamento com BAY 41-2272 quase reverteu o aumento na pressão arterial média induzido por L-NAME. Contrações não esvaziadoras da bexiga mostraram-se significativamente aumentadas no grupo L-NAME (0,90 ± 0,1 número/minuto) comparadas com DMSO ou grupo controle (0,49 ± 0,1 número/minuto), que foram evitadas pelo co-tratamento com BAY 41-2272 (0,56 ± 0,25 número/minuto; p < 0,05). O limiar e o pico de pressão aumentaram em 70 e 44%, respectivamente, após o tratamento crônico com L-NAME, enquanto o co-tratamento com BAY 41-2272 atenuou muito ambos os efeitos (27 e 22% de aumento, respectivamente). A frequência de ciclos de micção diminuiu em 50% nos ratos tratados com L-NAME em comparação aos animais controle; o cotratamento com BAY 41-2272 normalizou esse parâmetro.

Conclusões:

nossos dados mostram que a administração oral a longo prazo de BAY 41-2272 contrapõe-se à disfunção de bexiga vista em ratos deficientes de NO, o que sugere que a restauração da via da NO-cGMP por esse composto pode ter valor benéfico para tratar sintomas vesicais.

Administração de BAY 41-2272 previne disfunção vesical em ratos deficientes de oxido nítrico

Comentários