einstein (São Paulo). 01/mar/2015;13(1):52-7.

Rastreamento do câncer de colo uterino em jovens e idosas do Parque Indígena do Xingu: avaliação quanto à faixa etária preconizada no Brasil

Neila Maria de Góis Speck, Juliana da Silva Pinheiro, Erica Ribeiro Pereira, Douglas Rodrigues, Gustavo Rubino de Azevedo Focchi, Julisa Chamorro Lascasas Ribalta

DOI: 10.1590/S1679-45082015AO3222

Objetivo
Analisar a ocorrência de atipias nos exames citológicos e histológicos de jovens e idosas indígenas, e também avaliar se a faixa etária preconizada pelo Ministério da Saúde e pelo Instituto Nacional de Câncer em rastreamento do câncer de colo uterino é adequada para essa população.
Métodos
O Projeto Xingu/UNIFESP, em parceria com o Núcleo de Prevenção de Doenças Ginecológicas, desenvolve programas de prevenção do câncer do colo de útero. Foi realizado estudo exploratório, retrospectivo e descritivo de exames cito/histopatológicos em jovens do Parque Indígena do Xingu de 12 a 24 anos e em idosas a partir dos 64 anos, no período de 2005 a 2011.
Resultados
Em idosas, houve baixa ocorrência de atipias citológicas, mas nas jovens indígenas, ocorreram casos eventuais de lesão de alto grau.
Conclusão
Justifica respeitar o limite de 64 anos para a interrupção do rastreamento, como o estabelecido pelo Ministério da Saúde/Instituto Nacional de Câncer, mas, nas jovens, seria importante iniciar o rastreamento mais precocemente.

Rastreamento do câncer de colo uterino em jovens e idosas do Parque Indígena do Xingu: avaliação quanto à faixa etária preconizada no Brasil

44

Comentários