einstein (São Paulo). 01/mar/2015;13(1):167-9.

Radiologia intervencionista e cirurgia endovascular no tratamento das prenhezes ectópicas

Vinicius Adami Vayego Fornazari, Denis Szejnfeld, Julio Elito Júnior, Suzan Menasce Goldman

DOI: 10.1590/S1679-45082015MD3168

O advento da radiologia intervencionista tornou possível avanços notáveis no diagnóstico e no tratamento de diversas situações, na área de ginecologia e obstetrícia. No campo da obstetrícia, esses avanços incluem oclusão temporária das artérias hipogástricas para o manejo de placenta acreta e/ou prévia, embolização de fístulas arteriovenosas após curetagem uterina e manejo de prenhezes ectópicas uterinas e extrauterinas. A gravidez ectópica não tubária, seja cervical, abdominal, ovariana ou na cicatriz de cesárea, muitas vezes representa grande desafio terapêutico, principalmente quando há desejo de manutenção da fertilidade. As opções terapêuticas mais utilizadas para o tratamento de prenhez ectópica não tubária, são: terapia sistêmica com metotrexato e ressecção cirúrgica do saco gestacional ectópico; porém a abordagem intervencionista com injeção direta de metotrexato no saco gestacional ou quimiembolização intra-arterial das artérias uterinas, apresentam-se na literatura recente, como modalidades terapêuticas viáveis, seguras, eficazes, com baixa morbidade, menor tempo de internação e rápida recuperação clínica. Devido ao diminuto arsenal de materiais utilizados e à crescente formação de especialistas na área, a intervenção radiológica, como opção de tratamento nas prenhezes ectópicas, é financeiramente viável e apresenta acessibilidade considerável no mundo e na maioria do centros médicos brasileiros.

Radiologia intervencionista e cirurgia endovascular no tratamento das prenhezes ectópicas

75

Comentários