einstein (São Paulo). 01/set/2014;12(3):342-6.

Parceria público-privada em cirurgia vascular

Cynthia de Almeida Mendes, Alexandre de Arruda Martins, Marcelo Passos Teivelis, Sérgio Kuzniec, Nelson Wolosker

DOI: 10.1590/s1679-45082014gs3029

Objetivo
Descrever e analisar os resultados de parceria público-privada entre o Ministério da Saúde e um hospital privado em projeto de assistência e pesquisa científica na área de cirurgia endovascular. Métodos: Foram analisados fluxos, custos e resultados clínicos dos pacientes atendidos numa parceria público-privada entre abril de 2012 e julho de 2013. Todos os pacientes foram operados, ficaram pelo menos um dia na unidade de terapia intensiva do hospital privado e participaram de um protocolo de pesquisa para comparação entre dois contrastes endovenosos para cirurgia endovascular (contraste iodado e dióxido de carbono).
Resultados
Foram realizados 62 procedimentos endovasculares em 57 pacientes provenientes do sistema público. Os gastos hospitalares e com material endovascular mostraram-se significativamente maiores em relação ao que é pago pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em dois dos três grupos de doenças estudados. Entre os pacientes ambulatoriais, o intervalo médio entre a consulta e a cirurgia foi de 15 dias e, nos internados, 7 dias. Todos os procedimentos foram bem sucedidos, sem conversão para cirurgia aberta. O novo contraste estudado, o dióxido de carbono, mostrou-se eficaz e mais barato.
Conclusão
O tempo de espera dos pacientes entre indicação cirúrgica e sua realização foi significativamente reduzido. Parcerias público-privadas podem trazer agilidade no atendimento dos pacientes do SUS, permitindo também geração de conhecimento científico.

Parceria público-privada em cirurgia vascular

60

Comentários