einstein (São Paulo). 01/dez/2011;9(4):461-5.

Incidência de distúrbios do sono em pacientes com doença de Alzheimer

Einstein Francisco Camargos, Marcela Basso Pandolfi, Marco Polo Dias, Juliana Lima Quintas, Renato Maia Guimarães, Otávio de Toledo Nóbrega

DOI: 10.1590/s1679-45082011ao2145

RESUMO
Objetivo:
Determinar a incidência de distúrbios do sono em seguimento de 1 a 4 anos em pacientes com demência diagnosticada na primeira consulta, além de analisar características demográficas e comorbidades associadas.
Métodos:
Cento e vinte e dois idosos com 60 anos ou mais e com o diagnóstico de demência (Alzheimer e outras) foram seguidos em um centro de referência geriátrico para demência. O protocolo clínico incluiu entrevista com o paciente e o cuidador, exame físico, laboratorial e de imagem. Os critérios para diagnóstico dos distúrbios do sono incluíram queixa de insônia pelo paciente ou cuidador utilizando o item sobre comportamentos noturnos do Inventário Neuropsiquiátrico.
Resultados:
A densidade de incidência de distúrbios do sono foi de 18,7/100 pessoas/ano. O risco de desenvolver distúrbios do sono no primeiro e quarto anos de seguimento foi de 9,8% e 50,9%, respectivamente. Análise multivariada de Cox revelou que o nível educacional menor que 8 anos e a presença de agressividade na primeira consulta foram fatores preditores independentes para desenvolver distúrbios do sono no seguimento, aumentando o risco em 3,1 (IC95%: 1,30-9,22) e 2,1 (IC95%: 1,16-4,17) vezes, respectivamente..
Conclusão:
A incidência de distúrbios do sono em pacientes dementes foi elevada e, neste estudo, particularmente associada ao baixo nível educacional e à agressividade na admissão.

Incidência de distúrbios do sono em pacientes com doença de Alzheimer

163

Comentários