einstein (São Paulo). 06/abr/2018;16(1):eAO4036.

Existe associação entre qualidade de vida e adesão à farmacoterapia em pacientes com doença renal crônica em hemodiálise?

Keila Batista Alves, Nathália Vital Guilarducci, Thiago dos Reis Santos, André Oliveira Baldoni, Alba Otoni, Sérgio Wyton Lima Pinto, Camila Zanette, Cristina Sanches

DOI: 10.1590/S1679-45082018AO4036

RESUMO

Objetivo

Analisar a associação entre a qualidade de vida e a adesão ao tratamento farmacológico de pacientes com doença renal crônica.

Métodos

Utilizou-se o Short Form Health Survey para avaliar a qualidade de vida destes pacientes. O índice de complexidade terapêutico foi avaliado. O teste de Morisky-Green e o Brief Medication Questionnaire foram aplicados para avaliar a adesão a farmacoterapia.

Resultados

Nos 197 pacientes que participaram do estudo, o teste de Morisky-Green e o Brief Medication Questionnaire mostraram que a maioria deles apresentava baixa adesão ao tratamento (50,3% e 80,6%, respectivamente). A adesão esteve altamente associada ao sexo (masculino) e ligeiramente associada à complexidade da terapia, à saúde mental e aos aspectos sociais.

Conclusão

Observaram-se ligeira associação da adesão farmacoterapêutica com qualidade de vida e complexidade terapêutica, e forte associação com o sexo.

Existe associação entre qualidade de vida e adesão à farmacoterapia em pacientes com doença renal crônica em hemodiálise?

Comentários