einstein (São Paulo). 01/mar/2010;8(1):1-4.

Distribuição do peso ao nascer da população do Hospital Geral do Grajaú comparada à da população da cidade de São Paulo

José Ricardo Dias Bertagnon, Jane de Eston Armond, Cintia Leci Rodrigues, Viviane de Almeida Jabur, Gabriela Alba Kuraim, Neil Ferreira Novo, Conceição Aparecida de Matos Segre

DOI: 10.1590/s1679-45082010ao1505

RESUMO
Objetivo:
Comparar a curva de crescimento intrauterino de uma população que se serve de um hospital da região periférica com a curva de crescimento intrauterino da cidade de São Paulo, Brasil.
Métodos:
O Hospital Estadual do Grajaú serve a uma população com gestação de alto risco, com falta de recursos de saúde, baixo nível de escolaridade, poucas consultas de pré-natal e grande morbidade. O hospital que atende a essa população tem recursos e pessoal especializado, o hospital escola de medicina. A curva foi construída por meio de programa de dados confiáveis que contém informações sobre todos os recém-nascidos vivos durante os anos de 2003 a 2007, totalizando 9.952 recém-nascidos, tomando-se os dados de peso e idade gestacional como parâmetros. As curvas de distribuição de peso para os percentis 3, 10, 50 e 90 para os grupos de idade gestacional foram comparados àqueles da curva da cidade de São Paulo.
Resultados:
As curvas não diferiram significativamente, como demonstrado pelo cálculo do desvio das médias (Z score), não obstante as taxas de prematuridade, baixo peso, mães adolescentes e falta de consultas ao pré-natal fossem significativamente maiores na população do Hospital Estadual do Grajaú do que na população do município de São Paulo.
Conclusões:
A curva da cidade de São Paulo se mostrou apropriada para aquela população da periferia da cidade, ainda que existam as diferenças epidemiológicas.

Distribuição do peso ao nascer da população do Hospital Geral do Grajaú comparada à da população da cidade de São Paulo

14

Comentários