einstein (São Paulo). 24/out/2016;14(4):567-72.

Disfunção primária do enxerto hepático: definições, critérios diagnósticos e fatores de risco

Douglas Bastos Neves, Marcela Balbo Rusi, Luiz Gustavo Guedes Diaz, Paolo Salvalaggio

DOI: 10.1590/s1679-45082016rw3585

RESUMO
A disfunção primária do enxerto hepático é uma síndrome multifatorial com grande impacto no resultado do transplante de fígado. Foi realizada uma ampla revisão da literatura, consultando a base de dados PubMed, em busca de estudos publicados entre janeiro de 1980 e junho de 2015. Os termos descritivos utilizados foram: “primary graft dysfunction”, “early allograft dysfunction”, “primary non-function” e “liver transplantation”. A disfunção traduz graus diferentes da lesão de isquemia e reperfusão do órgão, e pode se manifestar como disfunção precoce ou, na forma mais grave, pelo não funcionamento primário do enxerto. Fatores relacionados ao doador, ao transplante e ao receptor contribuem para essa síndrome. Existem definições diferentes na literatura quanto ao diagnóstico e aos fatores de risco associados à disfunção primária.

Disfunção primária do enxerto hepático: definições, critérios diagnósticos e fatores de risco

215

Comentários