einstein (São Paulo). 01/jun/2010;8(2):221-7.

A humanização segundo pacientes oncológicos com longo período de internação

Natália Tatiani Gonçalves Brito, Rachel de Carvalho

DOI: 10.1590/s1679-45082010ao1369

RESUMO
Objetivo:
Identificar o conceito de humanização e levantar os aspectos que contribuem e dificultam a humanização da assistência hospitalar, segundo a opinião de pacientes oncológicos.
Métodos:
Trata-se de uma pesquisa descritivo-exploratória, prospectiva, com abordagem quali-quantitativa. A amostra constituiu-se de 10 pacientes internados há mais de 30 dias na unidade de Oncologia do Hospital Israelita Albert Einstein, que, depois de cumpridos os devidos procedimentos ético-legais, foram entrevistados e responderam a três perguntas referentes à humanização em oncologia.
Resultados:
Os fatores que mais contribuíram para a humanização foram carinho, simpatia e sorriso, e os que dificultaram foram mau humor, barulho e não ser prontamente atendido.
Conclusões:
A humanização hospitalar deve ser vivenciada e sentida por todos os que atuam no hospital e precisa ser refletida na assistência prestada ao cliente e à sua família. Esses aspectos se tornam primordiais na oncologia, para que haja compreensão do momento difícil que o paciente está vivenciando naquela internação, tendo interesse nos seus problemas e nas suas dificuldades, com simpatia e cordialidade no atendimento, atuando com ética e responsabilidade profissional.

A humanização segundo pacientes oncológicos com longo período de internação

150

Comentários