einstein (São Paulo). 01/dez/2013;11(4):462-6.

Interação medicamentosa no serviço de emergência

Meiry Fernanda Pinto Okuno, Raíssa Silveira Cintra, Cássia Regina Vancini-Campanharo, Ruth Ester Assayag Batista

DOI: 10.1590/S1679-45082013000400010

Objetivo:
Identificar a ocorrência de potenciais interações medicamentosas em prescrições médicas de pacientes adultos internados no Serviço de Emergência do Hospital São Paulo.
MÉTODOS:
Estudo de corte transversal e descritivo. A amostra foi composta por 200 prescrições médicas. A análise das interações medicamentosas foi realizada por meio da base de dados Drugs.com, onde são classificadas quanto à potencialidade de ação em interação grave, moderada, leve e sem interação.
RESULTADOS:
O número de medicamentos das prescrições variou de 2 a 19, e a média por prescrição foi de 4,97 medicamentos. Foram identificadas 526 potenciais interações medicamentosas em 159 prescrições (79,5%); destas, 109 foram interações graves, 354 moderadas, 63 leves e 41 não apresentaram interação.
CONCLUSÃO:
Este estudo demonstrou potencial interação medicamentosa em 79,5% das prescrições analisadas no Serviço de Emergência. As interações medicamentosas podem acontecer em todos os momentos da utilização dos fármacos e, nesse processo de trabalho, a equipe de enfermagem está envolvida em diversas etapas. Portanto, instrumentalizar o enfermeiro para o uso racional dos fármacos pode aumentar a segurança da assistência ao paciente.

Interação medicamentosa no serviço de emergência

112

Comentários