einstein (São Paulo). 24/jul/2018;16(3):eAO4190.

Infecção por papilomavírus humano e lesões precursoras do câncer cervicouterino em Ribeirinhas da Amazônia: avaliação da relação com marcadores de estresse oxidativo

Bruna Emanuelle Sanches Borges ORCID logo , Elza Baia de Brito ORCID logo , Hellen Thais Fuzii ORCID logo , Cláudia Simone Baltazar ORCID logo , Aline Barreto Sá ORCID logo , Camile Irene Mota da Silva ORCID logo , Gleyce de Fátima Silva Santos ORCID logo , Maria da Conceição Nascimento Pinheiro ORCID logo

DOI: 10.1590/S1679-45082018AO4190

RESUMO

Objetivo

Avaliar a relação de marcadores de estresse oxidativo com a infecção pelo papilomavírus humano e as lesões precursoras do câncer cervical.

Métodos

Foram incluídas mulheres ribeirinhas da Amazônia (a saber: 126 do município de Itaituba, 68 de Limoeiro do Ajuru e 43 de Bragança), todas do Estado do Pará, de 14 a 60 anos. Foram realizados testes Papanicolau e de reação em cadeia de polimerase para a detecção de DNA do papilomavírus humano. Coleta de amostras de sangue foi realizada para a avaliação do malondialdeído e a determinação da glutationa total e oxidada.

Resultados

As concentrações oxidativas do malondialdeído e os teores de glutationa total e oxidada não apresentaram diferença significativa (p>0,05) nas mulheres com e sem lesão intraepitelial escamosa de baixo grau, em todas as comunidades pesquisadas. Mulheres com papilomavírus humano em Itaituba apresentaram níveis de malondialdeído (8,02nmols/mL) quase cinco vezes maior quando relacionadas àquelas sem o HPV (1,70nmols/mL), com diferença estatística significativa (p<0,05). As outras comunidades não mostraram diferença estatística significativa entre as concentrações de malondialdeído nas mulheres com e sem papilomavírus humano (p>0,05). Os teores de glutationa total mostraram diferença significativa (p<0,05) somente em Bragança naquelas com (8,20µg/mL) e sem a infecção pelo papilomavírus humano (1,47µg/mL).

Conclusão

Houve associação significativa da resposta oxidativa do malondialdeído e da glutationa total com a infecção pelo papilomavírus humano, porém não houve diferença quando associada à lesão escamosa, sugerindo que o estresse oxidativo isoladamente não explica a relação com a carcinogênese do colo uterino, que deve ser influenciada ainda por outros fatores.

Infecção por papilomavírus humano e lesões precursoras do câncer cervicouterino em Ribeirinhas da Amazônia: avaliação da relação com marcadores de estresse oxidativo

Comentários