einstein (São Paulo). 01/jan/2017;15(1):1-3.

II Consenso Brasileiro sobre o uso de imunoglobulina humana em pacientes com imunodeficiências primárias

Ekaterini Simões Goudouris, Almerinda Maria do Rego Silva, Aluce Loureiro Ouricuri, Anete Sevciovic Grumach, Antonio Condino Neto, Beatriz Tavares Costa-Carvalho, Carolina Cardoso de Mello Prando, Cristina Maria Kokron, Dewton de Moraes Vasconcelos, Fabíola Scancetti Tavares, Gesmar Rodrigues Silva Segundo, Irma Cecília Douglas Paes Barreto, Mayra de Barros Dorna, Myrthes Anna Maragna Toledo Barros, Wilma Carvalho Neves Forte

DOI: 10.1590/S1679-45082017AE3844

RESUMO

Nos últimos anos, novas imunodeficiências primárias e defeitos genéticos têm sido descritos. Recentemente, produtos de imunoglobulina, com aprimoramento em sua composição e para uso por via subcutânea, tornaram-se disponíveis em nosso meio. Com o objetivo de orientar o médico no uso da imunoglobulina humana para o tratamento das imunodeficiências primárias, os membros do Grupo de Assessoria em Imunodeficiências da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia produziram um documento que teve por base uma revisão narrativa da literatura e sua experiência profissional, atualizando o I Consenso Brasileiro publicado em 2010. Apresentam-se novos conhecimentos sobre indicações e eficácia do tratamento com imunoglobulina nas imunodeficiências primárias, aspectos relevantes sobre a produção, forma de utilização (vias de administração, farmacocinética, doses e intervalos), efeitos adversos (principais efeitos, prevenção, tratamento e notificação), monitorização do paciente, apresentações disponíveis e forma de obtenção deste recurso terapêutico em nosso meio.

II Consenso Brasileiro sobre o uso de imunoglobulina humana em pacientes com imunodeficiências primárias

Comentários