einstein (São Paulo). 01/mar/2015;13(1):65-71.

Acidente vascular cerebral isquêmico perinatal: estudo retrospectivo de 5 anos em maternidade nível III

Virgínia Machado, Sónia Pimentel, Filomena Pinto, José Nona

DOI: 10.1590/S1679-45082015AO3056

Objetivo
Estudar incidência, apresentação clínica, fatores de risco, resultado de exames de imagem e desfecho clínico do acidente vascular cerebral perinatal.
Métodos
Análise retrospectiva dos prontuários de recém-nascidos a termo internados com o diagnóstico de acidente vascular cerebral perinatal no Serviço de Neonatologia, de uma maternidade nível III, em Lisboa, de janeiro de 2007 a dezembro de 2011.
Resultados
Houve 11 casos de acidente vascular cerebral: nove isquêmicos arteriais e duas tromboses dos seios venosos. As incidências foram estimadas: para acidente vascular cerebral isquêmico arterial de 1,6/5.000 nascimentos; para trombose dos seios venosos de 7,2/100.000 nascimentos. Houve dois casos de recorrência. Oito doentes foram sintomáticos e três assintomáticos, com diagnóstico incidental. As convulsões foram o sintoma mais frequente (8/11): clônicas generalizadas (3/8) e clônicas focais (5/8). O território vascular esquerdo foi o mais afetado (9/11), particularmente a artéria cerebral média esquerda (8/11). A ecografia transfontanelar foi positiva na maioria dos doentes (10/11), sendo o diagnóstico confirmado por ressonância magnética cerebral em todos. Dos cinco doentes que realizam eletroencefalograma, três apresentaram alterações (alterações focais n=2 e padrão de surto-supressão n=1). Oito doentes apresentaram fatores de risco para acidente vascular cerebral neonatal, incluindo causas obstétricas e neonatais. Dez doentes foram acompanhados em ambulatório, dos quais quatro apresentaram défice motores e um apresentou epilepsia.
Conclusão
Apesar de uma amostra limitada e heterogênea, este estudo reforça a necessidade de um elevado nível de suspeita para acidente vascular cerebral perinatal, particularmente na presença de fatores de risco. A prevalência de sequelas neurológicas em nossa série reforça a necessidade de seguimento a longo prazo e de estratégias de intervenção precoces.

Acidente vascular cerebral isquêmico perinatal: estudo retrospectivo de 5 anos em maternidade nível III

137

Comentários