einstein (São Paulo). 01/mar/2013;11(1):122-7.

Plasma rico em plaquetas para consolidação de ossos longos

Mário Lenza, Silvia de Barros Ferraz, Dan Carai Maia Viola, Oscar Fernando Pavão dos Santos, Miguel Cendoroglo Neto, Mario Ferretti

DOI: 10.1590/S1679-45082013000100023

Objetivo:
Avaliar a efetividade do uso de plasma rico em plaquetas como coadjuvante para a consolidação óssea de ossos longos.
MÉTODOS:
A estratégia de busca abrangeu a Cochrane Library (via Central) e o MEDLINE (via PubMed). Não houve restrições de idioma ou meios de publicações. A última estratégia de busca foi realizada em dezembro de 2011. Foram incluídos ensaios clínicos randomizados que avaliaram o uso do plasma rico em plaquetas como medicação coadjuvante para acelerar a consolidação dos ossos longos (fraturas agudas, pseudoartroses e defeitos ósseos). Os desfechos de interesse para esta revisão compreenderam: consolidação óssea, eventos adversos, custos, dor e qualidade de vida. Os autores selecionaram os estudos elegíveis, avaliaram a qualidade metodológica e extraíram os dados. Não foi possível realizar análise quantitativa dos estudos agrupados (meta-análises).
RESULTADOS:
Foram incluídos dois ensaios clínicos prospectivos randomizados, envolvendo um total de 148 participantes. Um deles comparou proteína morfogenética óssea recombinante humana 7 versus PRP para o tratamento de pseudoartroses; o outro avaliou os efeitos de três tratamentos coadjuvantes para a consolidação de osteotomias valgizantes da tíbia (plasma rico em plaquetas, plasma rico em plaquetas mais células estromais da medula óssea e sem tratamento coadjuvante). Ambos possuíam baixo poder estatístico e moderado a alto risco de viés.
CONCLUSÃO:
Não houve evidências conclusivas que sustentassem o uso de plasma rico em plaquetas como coadjuvante para auxiliar a consolidação óssea de fraturas, pseudoartrose ou defeitos ósseos.

Plasma rico em plaquetas para consolidação de ossos longos

63

Comentários