einstein (São Paulo). 10/set/2018;16(3):eED4087.

O uso do Big Data em pesquisas médicas

Thiago Gonçalves dos Santos Martins ORCID logo , Ana Luiza Fontes de Azevedo Costa ORCID logo , Thomaz Gonçalves dos Santos Martins ORCID logo

DOI: 10.1590/S1679-45082018ED4087

Atualmente, a velocidade e o volume de dados criados a partir de sites da internet, sensores eletrônicos e celulares estão na ordem de exabytes (1 bilhão de gigabites) a cada 2 dias. Trata-se da quantidade correspondente ao produzido no período desde o início da civilização até 2003. Este número impressionante tende a dobrar a cada 40 meses.()

O enorme conjunto de dados, que é grande o suficiente para ser considerado não gerenciável para a interpretação humana sem auxílio de um processo computadorizado e/ou analítico de dados, é conhecido como Big Data. Apesar do volume e da velocidade quase em tempo real do processamento de dados, é necessário trabalhar a qualidade deles, para que gerem informações úteis.

[…]
O uso do Big Data em pesquisas médicas

Comentários