Todos as publicações de “Reijâne Alves de Assis”

3 results

Sobrecarga de ferro em adolescente com xerocitose: a importância da ressonância nuclear magnética

Reijâne Alves de Assis, Carolina Kassab, Fernanda Salles Seguro, Fernando Ferreira Costa, Paulo Augusto Achucarro Silveira, John Wood, [...]

DOI: 10.1590/S1679-45082013000400022

Relatar um caso de sobrecarga de ferro secundária à xerocitose, uma doença rara, em uma adolescente, diagnosticada por meio de ressonância magnética em T2*. Relatamos o caso de uma paciente sintomática com xerocitose, nível de ferritina de 350ng/mL e sobrecarga de ferro cardíaca significativa. Ela foi diagnosticada por ressonância magnética em T2* e recebeu terapia de quelação. Análise por ectacitometria confirmou o diagnóstico de xerocitose hereditária. Na sequência, a ressonância magnética em T2* demonstrou resolução completa da sobrecarga de ferro […]

Uso de gemtuzumabe ozogamicina combinado com quimioterapia convencional em pacientes com leucemia mieloide aguda

Guilherme Fleury Perini, Fabio Pires de Souza Santos, Iracema Esteves, Claudia Mac-Donald Bley do Nascimento, Morgani Rodrigues, Reijane Alves de Assis, [...]

DOI: 10.1590/S1679-45082011AO1987

RESUMO Objetivo: Analisar a evolução de pacientes tratados com gemtuzumabe ozogamicina combinado à terapêutica convencional no Hospital Israelita Albert Einstein. Métodos: 14 pacientes que tinham alto risco (leucemia secundária, citogenética desfavorável e doença refratária) foram tratados com gentuzumabe ozogamicina associado à terapêutica convencional, e sua evolução foi analisada por meio de seus prontuários médicos. Resultados: A taxa total de resposta foi de 58%, com 43% chegando a resposta completa, em acompanhamento médio de 11 meses, e três meses com intervalo […]

Sobrecarga de ferro em pacientes talassêmicos brasileiros

Reijane Alves de Assis, Fernando Uliana Kay, Laércio Alberto Rosemberg, Alexandre Henrique C. Parma, Cesar Higa Nomura, Sandra Regina Loggetto, [...]

DOI: 10.1590/S1679-45082011AO1897

RESUMO Objetivo: Avaliar o acúmulo de ferro em diferentes órgãos por meio da ressonância nuclear magnética T2* e correlacionar os resultados aos níveis de ferritina sérica, ferro plasmático lábil e outros órgãos envolvidos. Métodos: Foram avaliados retrospectivamente 115 pacientes talassêmicos (sendo 65 mulheres). A concentração hepática de ferro foi determinada em biópsia de 11 pacientes; os resultados foram comparados com os valores de T2* fígado. Resultados: a ferritina sérica média foi de 2.676,5 +/- 2.051,7 ng/mL. O ferro plasmático lábil […]